Parquinhos infantis estimulam o prazer das crianças pela atividade física, além de aliviar o estresse dos pequenos

Em um mundo moderno, os jogos eletrônicos e os computadores ocuparam o lugar das brincadeiras de rua, de roda, pega-pega, esconde-esconde, de correr, saltar, andar, rolar, gritar, subir e lançar. Atividades físicas são muito bem-vindas nas diferentes fases do desenvolvimento infantil. Elas afastam o risco de obesidade, estimulam a coordenação motora e ajudam no desenvolvimento intelectual da criança. É o que garantem professores de educação física, psicólogos e pedagogos.

O certo, dizem os especialistas, não é impor uma atividade física às crianças, mas mostrar aos pequenos que até mesmo brincando se exercita. O professor da Universidade de Brasília (UnB) e responsável pelo projeto Movimento e Expressão, Juarez Sampaio, explica que playgrounds e parques públicos são os melhores locais para o desenvolvimento da criança. “Os brinquedos ajudam a desenvolver a autoconsciência, a autoafirmação, a autoaceitação e outras atitudes fundamentais na construção da autoestima das crianças”, diz Juarez. Com intervenções que acontecem por meio de dinâmicas interdisciplinares, ao ar livre, como escalada e arvorismo, a Oficina de Movimento e Expressão ajuda a criança e o adolescente a desenvolver a habilidade de trabalhar em grupo, a enfrentar desafios de maneira criativa, autônoma e cooperativa.

Agenda cheia, reprovação dos pais e conflitos na escola. Todos esses fatores mexem com o emocional infantil. A especialista em psicopedagogia pela UnB e assistente social – Psicóloga da Secretaria de Estado da Criança do Distrito Federal -, Cinthia  Camimura, explica que a atividade física renova a energia, por isso se uma criança fica trancada dentro de um apartamento o dia todo, tende a ser uma criança mais estressada. “A criança que não brinca, que não pratica uma atividade física, que não tem a atenção dos pais pode ter problemas tanto no organismo, como em sua capacidade de aprendizagem, além de aumentar a probabilidade de inúmeras desordens psicológicas e físicas”, diz Cinthia.

Como uma bomba-relógio prestes a explodir, o estresse infantil tem ganhado status de problema de saúde pública. Nos Estados Unidos, a Academia Americana de Pediatria publicou, em dezembro de 2011, novas diretrizes para ajudar os médicos a identificar e tratar esse mal. Os especialistas alertam que os danos causados pelo estresse na infância pode desencadear doenças graves na adolescência e na idade adulta, como a propensão a doenças coronarianas, diabetes, uso de drogas e depressão.

Para evitar o estresse, a profissional alerta: “No final das contas, o que as crianças realmente gostam mais do que qualquer outra coisa no mundo é a atenção dos pais. Não é simplesmente o pai parabenizar os desenhos que ela fez, mas a presença deles no processo de criação. Nenhuma criança gosta de interromper a atividade que está fazendo, mas se ensinadas desde cedo, cotidianamente, não há criança que vá preferir o videogame ao convite empolgado do pai para o playground do condomínio, um mergulho na piscina ou a uma partida de futebol, ainda que seja de botão”.

Passear brincando

Proprietárias da Mafagafo, a brinquedoteca que abre as portas no CasaPark no dia 12 de outubro, as psicólogas Fernanda Reis e Patrícia Serejo acreditam que para um bom desenvolvimento infantil é preciso que a criança explore ao máximo o espaço onde brinca. “O balanço desenvolve a consciência do movimento no espaço, relacionado à força realizada, assim como a gangorra, que desenvolve a força e a coordenação motora entre membros. Os brinquedos desenvolvem a noção de perigo e do autocontrole. Dessa forma, o que mais ajuda no desenvolvimento da criança é ter a oportunidade de experimentar diversas brincadeiras”, explica Patrícia.

“Certamente a criança não deve ficar sem vigilância no parquinho. Algumas exigem a interação direta do adulto, outras são mais independentes”, afirma a psicóloga. Patrícia lembra que vale à pena utilizar o parquinho como uma oportunidade para treinar a autoconfiança e a autonomia da criança, deixando-a livre para brincar só ou com outras crianças da mesma idade.

Um playground diferente

Seguindo a mesma linha de pensamento da Mafagafo, o Kids Club do Le Ciel, empreendimento da Construtora Villela e Carvalho, traz em seu projeto uma área de 400m² dedicada exclusivamente a crianças com até sete anos. O parquinho infantil do empreendimento, que tem uma unidade decorada na loja da Lider do CasaPark, foi projetado por Suzana Cadaval, arquiteta e especialista em parques temáticos infantis com mais de 20 anos de experiência no segmento, o Kids Club foi criado para dar às crianças a garantia de experimentar todos os prazeres da infância. “O conceito do Kids Club para o Le Ciel surgiu de uma proposta em que as crianças pudessem perceber o espaço igual ao mundo delas e pudessem exercer o brincar de maneira divertida e segura. Um lugar que favorecesse o encontro entre elas e também estimulasse a troca de vivências entre pais e filhos”, conta Suzana.

O piso do espaço do empreendimento será de bloquetes de borracha, que ajudam a amortecer os impactos na hora de descer do escorregador ou do balanço. Pista automobilística – para que a garotada possa andar de carrinho e velocípede com toda a segurança -, plataforma arco-íris – com casinha da árvore, balanço, escorregador, rampa de escalada e rampa de cordas quadriculada -, jogo de amarelinha, os banquinhos bola e as umbrelas em formato de flor. Além disso, Suzana criou uma minivila, oficina mecânica, pista automobilística, pomar e um espaço dedicado às mamães e seus bebês.   “O Kids Club é um espaço que estimula a sociabilidade, a criatividade, o convívio e resgata a ideia de quintal de casa, lembrança de uma infância feliz. É necessário resgatar essa vivência, dando a oportunidade às nossas crianças de praticarem atividades físicas prazerosas e de muito movimento”, conclui Suzana.

Galeria de Fotos:

  • Comentários(1)

Um comentário para “Parquinhos infantis estimulam o prazer das crianças pela atividade física, além de aliviar o estresse dos pequenos”

  1. Maria Terezaon 13 out 2012 at 19:52

    Na minha atuação como fonoaudióloga o brincar é meu tema preferido.
    Gostei muito da matéria. Parabéns!!!

Trackback URI | Comments RSS

Faça um comentário sobre esta notícia