UMA CASA EM OSAKA

Design pelo Mundo - 10 de Abril de 2018

As necessidades do habitar contemporâneo e a novas exigências pela composição de diferentes núcleos familiares tem promovido arquiteturas que pretendem dar respostas às maneiras de viver de hoje. No Japão, o espaço tradicional da casa se organizava em base a elementos e divisórias leves que permitiam a criação de conjuntos orgânicos com características mutantes. Na atualidade, esse formato tem evoluído em direção a outras composições arquitectónicas, onde os espaços interiores permanecem conectados claramente, facilitando o nexo entre seus habitantes.

O escritório japonês Tato Arquitetos propôs desta forma uma arquitetura de grande flexibilidade espacial no seu ultimo projeto para uma casa em Miyamoto, em Osaka. Uma série de plataformas irregulares de metal traduzem os diferentes “andares” da casa, definidos pela mistura de usos e pelas múltiplas funções e conectadas por uma sequencia espiral de degraus de madeira, pequenos escadas que funcionam como os únicos elementos de união entre os níveis que mantem uma diferença de 70 cm entre um e outro.

Uma solução aceitável para os usuários que desejam sentir-se próximos uns com outros, sem uma clara diferenciação de espaços definidos pelos seus usos. Desta forma, segundo o desejo do cliente, os quartos privados tornam-se desnecessários porque nao existe a vontade do usuário em se retirar para o próprio espaço.

As pequenas escadas outorgam uma beleza surreal ao conjunto, pela própria característica “compositiva” dentro de uma ordem aparentemente caótica.  Estes objetos de conexão assumem funções de diferentes tipos, podendo ser gavetas e prateleiras. O nível da estrada da casa é o menor, destinado à recepção dos moradores, alem de ser o lugar para as bicicletas e o armazenamento dos casacos. As estruturas angulares em metal se desenvolvem em altura, em direção às duas fachadas principais do edifício, convergindo numa área central do interior do prédio -a sala principal-, para seguir subindo aos níveis superiores dos dormitórios e dos terraços, acessíveis a partir do quarto principal e de um dos banheiros no topo da casa. No total são 13 andares separados, construídos com uma estrutura de vigas de aço simples que suportam os painéis de metal ondulado resistentes, que fazem parte do chão de cada nível.

Imagens: Shinkenchiku Sha

Cadastre-se e receba novidades

Quer ficar sabendo sobre promoções, notícias e informações do CasaPark?

Cadastre-se